A Santiago de Compostela, 2004
27 a 30 de Julho de 2004
A. Augusto de Sousa

Esta humilde página reporta uma viagem ou peregrinação de dois amigos, pelos Caminhos de Santiago, feita pelo chamado Caminho Português Central. Para um deles, eu próprio, seria a terceira experiência; para o outro, o "Zé Manel" Ferreira, era a primeira vez.

As palavras são propositadamente poucas, sendo as imagens as principais vedetas. São cerca de 220 fotografias das muitas que fiz, quase tantas como os quilómetros percorridos, nas quais tentei captar, nem sempre com sucesso, as belezas d'O Caminho. A responsabilidade das mais belas cabe a uma "mãe natureza" criadora, a quem dou cada vez mais apreço, e a alguns homens que souberam, ao longo dos séculos, desenhar, realizar e manter edifícios e outros monumentos de beleza indescritível.

Para ver as imagens em tamanho maior, pode pressionar o botão do rato com o cursor sobre elas. A partir daí, pode optar por visualizá-las todas em sequência, sem acesso ao texto.

Etapa 1: Porto - Ponte de Lima

Tudo começa no interior da Sé Catedral do Porto, onde as "credenciais de peregrino" são carimbadas pela primeira vez.

As credenciais pretendem ser uma prova de que o caminho foi percorrido e por isso devem ir sendo carimbadas em várias localidades do percurso, em igrejas, albergues, hotéis, ou mesmo lojas. Dão direito a utilizar as instalações dos Albergues dos Peregrinos (gratuitos, na sua maioria) e a receber, no final, a Compostela, uma espécie de diploma escrito em Latim que certifica que o seu portador foi peregrino a Santiago de Compostela.

IMGP3144 IMGP3145 IMGP3147 IMGP3150

No exterior, no Terreiro da Sé do Porto, começam a seguir-se as célebres setas amarelas, pintadas em muros, postes de iluminação e mesmo no chão. São muitas centenas (quase três milhares, segundo um peregrino que se deu ao trabalho de as contar) e quem as seguir, desembocará, cerca de 240Km depois, na Praza do Obradoiro, em frente à Catedral de Santiago.

Começa-se descendo as inclinadas escadas que levam ao Largo do Colégio, em frente à Igreja dos Grilos e, depois de atravessar toda a cidade do Porto, passa-se ao Monte dos Burgos, na Estrada da Circunvalação. Aqui, haveria paragem obrigatória em outra catedral, desta feita do BTT (ou não viajássemos de bicicleta): a "boutique" MaiaCycles, para obtenção de um carimbo para as credenciais e feitura de umas fotos com os amigos Paulo e Andreia.

IMGP3151 IMGP3152 IMGP3154 IMGP3155

O percurso por estas bandas é um pouco monótono, passando em várias freguesias dos concelhos de Matosinhos, Maia e Vila do Conde. Padrão de Moreira e Macieira são seguidamente ilustradas, assim como a bela (e finalmente recuperada) ponte de D. Zameiro sobre o rio Ave.

IMGP3156 IMGP3157 IMGP3158 IMGP3159

S. Pedro de Rates é uma localidade importante no contexto d'O Caminho. A igreja, muito antiga, marca vincadamente a sua presença, num enquadramento arquitectónico novo e interessante, ao qual não falta agora um museu que lhe é dedicado. Como curiosidade, S. Pedro de Rates possui o primeiro albergue português, inaugurado precisamente dois dias antes de ali passarmos.

IMGP3160 IMGP3161 IMGP3162

Os caminhos e trilhos de terra começam agora a aparecer e, no meio deles, sempre aparecem portais e muros antigos, com trabalhos de escultura esquecidos ou mesmo ignorados e, claro, as omnipresentes igrejas, capelas e cruzeiros, a fazer lembrar que se trata de um percurso de carácter religioso.

IMGP3163 IMGP3164 IMGP3165

Chegada a Barcelinhos (com paragem para almoço) e travessia da bela ponte para Barcelos. As ruínas de um palácio ali presentes constituem uma base museológica a não perder, mesmo de passagem apressada, com um brinde paisagístico interessante sobre o rio Cávado.

O taquímetro marca já 54Km percorridos mas não estamos cansados. Resolvemos continuar e percorrer mais uns anunciados 33Km, por experiência própria não muito difíceis, que nos levarão a Ponte de Lima. Assim, pedem-se mais uns carimbos nas credenciais, desta feita na casa paroquial, e há que seguir viagem.

IMGP3166 IMGP3167 IMGP3168 IMGP3169 IMGP3170 IMGP3171

A partir daqui, o percurso é marcante. Sempre acompanhados dos motivos religiosos, vamos encontrando de tudo um pouco, até animais pastando nas valetas da estrada. Não se esperaria, provavelmente, passar exactamente pelo meio de um campo de milho, e as altas ramadas minhotas são triviais... mas são tão frescas para os músculos aquecidos!

Infelizmente, um pequeno engano, cometido algures, leva-nos a trocar de caminho e os fáceis 33Km transformam-se em uns penosos (por muito ascendentes, em grande parte) mais de 45Km. Sem perceber como e sempre seguindo as setas amarelas (devíamos ter desconfiado logo, estas eram aqui muito menos bem marcadas), passámos do caminho pretendido para outro que, creio, segue por Viana do Castelo e Vilar de Mouros. Com algumas boas paisagens pelo meio, a melhor de todas acabou por ser mesmo a do areal do rio Lima... que teríamos de seguir ainda durante uns bons 8Km até ao nosso destino de etapa.

No final, o meu taquímetro marcava algo como 101Km...

IMGP3172 IMGP3173 IMGP3174 IMGP3176 IMGP3177 IMGP3178 IMGP3179 IMGP3180 IMGP3181 IMGP3182 IMGP3183

Etapa 2: Ponte de Lima - Tui

Esta é reconhecidamente a mais dura etapa do percurso, com a travessia da Serra de Labruja. Sabia-mo-lo de antemão e estávamos prontos para vencer aqueles cerca de 40Km (tão pouco...).

Faz-se a saída da cidade de Ponte de Lima através da monumental ponte que lhe dá o nome, felizmente vedada ao trânsito. Depois de uns trilhos no meio do monte e com cerca de 8Km percorridos, atingimos a freguesia de Labruja, no sopé da subida que haveríamos de fazer. Após merecida hidratação em oportuna mercearia, lá vamos, serra acima, primeiro por estradão alcatroado, depois empedrado rural...

IMGP3185 IMGP3188 IMGP3189 IMGP3190 IMGP3191

...e finalmente o monte, puro e duro.

IMGP3192 IMGP3193

A certa altura, o piso deixa de ser ciclável e há que empurrar a bicicleta à mão. Não é fácil, com o peso que transporta! Eles são regos, pedregulhos, inclinações que nos fazem andar de gatas, piso escorregadio... tudo é a favor do "sentido contrário", mas nós temos é de subir... Por vezes, somos dois homens para uma bicicleta!

Um cruzeiro (sugestivamente conhecido por Cruz dos Mortos...) permite um descanso e, com mais ou menos dificuldades, lá atingimos o alto, a "Casa do Guarda Florestal" (sem fotos...).

IMGP3194 IMGP3195 IMGP3196 IMGP3197 IMGP3198 IMGP3199 IMGP3201

A descida... é radical, embora "mão amiga" tenha por ali andado a amaciar o piso de terra e pedra, principalmente no início! Ao fundo, o piso passa a ser pedra gasta pela erosão de muitas rodas e muita água, que mesmo no pino do calor, continua a enlamear o caminho.

Aparece a ponte de Agualonga, velha e gasta, atravessando um rio limpo onde ainda se vê o peixe... Mais subidas e descidas, mais monte, mais campo, mais trilhos, a ponte romana de Piorado sobre o rio Coura e, a partir da localidade de S. Bento da Porta Aberta (Paredes de Coura), quase sempre a descer, lá se atinge Valença do Minho com a sua ponte metálica, com ligação a Tui.

IMGP3202 IMGP3204 IMGP3205 IMGP3206 IMGP3207 IMGP3208 IMGP3209

A zona histórica da cidade de Tui é bonita, há que ali voltar com tempo para passear e ver as velhas pedras do casario. A catedral, onde fomos carimbar as nossas credenciais, situa-se num ponto alto ao qual dá acesso uma rampa muito inclinada (demasiado inclinada, para umas pernas já cansadas), toda ela coberta com lajes graníticas recentes. O interior esconde belas peças, tendo-me chamado a atenção o trabalhado complexo da talha que envolve o órgão de tubos.

Dali seguimos para o albergue de peregrinos, muito próximo, instalado numa velha casa, devidamente refeita no seu interior. As nossas companheiras de duas rodas ficam confortavelmente instaladas num pátio interior onde há quem aproveite para descansar os pés da caminhada e nós vamos conhecer a camarata mista onde dormiremos nessa noite.

IMGP3209b IMGP3209c IMGP3210 IMGP3212 IMGP3213 IMGP3214 IMGP3215 IMGP3216 IMGP3217

Etapa 3: Tui - Pontevedra

Esta etapa contém pontos com grande interesse. Globalmente, atrever-me-ia a afirmar que é a mais bela das quatro.

Comecemos as actividades com um abundante pequeno almoço, ali mesmo, junto ao albergue, no Café Central, devidamente integrado na paisagem urbanística de antiguidade. Seguem-se mais algumas compras na urbe, onde a feira do dia domina o espaço e voltamos à Catedral, de onde partimos finalmente, descendo alguns degraus das velhas ruas e outras vias, até atingirmos um caminho campestre. Seguir-se-ia um troço em alcatrão e, finalmente, os primeiros trilhos galegos, no meio de um belo parque e, como que a anunciar as belezas vindouras, o belo local da Ponte das Febres, devidamente coberta com um tapete de madeira que a protege do desgaste.

Reza a lenda que aqui, S. Telmo, em peregrinação a Santiago de Compostela, terá ficado enfermo, com febres que o obrigaram a regressar, tendo mesmo falecido pouco tempo depois. Disto dá conta uma lápide ali colocada, mesmo ao lado de um cruzeiro sobre o qual, inevitavelmente, colocamos uma pedrinha.

Durante todo o percurso, cruzamos imensas linhas de água. Esta zona galega é fértil em ribeiras, pelo que outras pontes, mesmo de maior porte, são também atravessadas.

IMGP3218 IMGP3221 IMGP3222 IMGP3223 IMGP3225

Porriño é a próxima localidade, onde aproveitamos para almoçar. À saída, ou um pouco depois, um local dedicado ao peregrino contém um monumento monolítico, um relógio de sol e umas inscrições em pedra com as coordenadas geográficas do local; e claro, como não poderia deixar de ser, mais um marco e respectivo azulejo com um desenho em forma de vieira dos muitos que, em território espanhol, também apontam para o caminho a seguir.

IMGP3226 IMGP3227 IMGP3228

Segue-se-lhe Redondela, cujo atravessamento é marcado pelo albergue de peregrinos, bem no centro histórico, e por um tão belo quanto inesperado espigueiro de granito. Um pouco depois, uma difícil subida com mais um cruzeiro e, a meio, sugerindo descanso, uma fonte de água fresca.

IMGP3230 IMGP3231 IMGP3232

Local de paragem obrigatória é, sem dúvida, a descida para a localidade Ponte Sampaio. A meio de um estradão de terra batida, exposto ao sol tórrido na vertente poente de um monte, a vista para a ria, lá em baixo, é surpreendente e faz um magnífico cenário de fundo para uma fotografia com a minha 'Zulinha de duas rodas.

IMGP3233 IMGP3235

Lá ao fundo, a ria é agora rio e a ponte, de grande porte, permite a travessia. É linda, na sua pedra velha de centenas de anos, ainda mais pela paisagem que deixa perceber, para um lado com uma praia fluvial e, para o outro, com o início da ria anteriormente vislumbrada e barcos atracados num pequeno porto de pesca. Segundo a História, ali se venceu uma dura batalha contra as tropas napoleónicas, facto de orgulho evidenciado pelos locais.

IMGP3237 IMGP3238 IMGP3239 IMGP3240 IMGP3241 IMGP3242 IMGP3243 IMGP3244

A saída do local faz-se por umas ruas estreitas de alcatrão, ascendentes, com uma inclinação enorme. Quando se inicia a descida respira-se fundo e diz-se "já foi"... Engano redondo; aí vem mais uma, igual de inclinação mas com um comprimento três ou quatro vezes maior...

Depois vem a descida final por um trilho cheio com pedra solta proveniente de obras (realmente não é pedra mas sim bocados de cimento) que tem ao fundo um rego transversal semi-escondido por vegetação: pumba, lá vai mais uma pancada para a roda de trás que por pouco não provocou danos no pneu. Para trás ficava a curiosidade de um cavalo branco pastando num pequeno terreno de uma habitação, ainda dentro da localidade (julgo que já não seria o de Napoleão :-)...).

De seguida, aparece outro local dos mais marcantes para mim: "A Ponte Nova". Pelo nome parece ser uma ponte recente... mas não o é! Trata-se dos restos de uma ponte medieval, tão degradada pelo tempo, que já só resta, basicamente, o seu arco principal (dá até a entender que nunca foi acabada). Este, de há um ano a esta parte, encontra-se protegido por um conjunto de degraus de madeira que, aliás, não são utilizados, pelo menos na época de verão, dado que a água é pouca e todos preferem sentir-lhe a frescura. Não sei se existe algum caminho que ali vá ter facilmente, mas mesas de merenda também lá existem.

IMGP3245 IMGP3246 IMGP3247 IMGP3248 IMGP3249 IMGP3250 IMGP3251 IMGP3252 IMGP3253 IMGP3254 IMGP3255

Um pouco adiante, havia que fazer um trilho pouco soft, ascendente e com muita pedra, à moda das calçadas romanas, mas muito irregular. Só uma parte daquela "trialeira" é ciclável, pelo menos para mim e com a bicicleta a pesar o dobro... Mas o pouco que se consegue já é um contento para a alma de um BTT'ista!

IMGP3256 IMGP3257

Dali a pouco e após um trecho de estrada, entra-se em Pontevedra. Mesmo à entrada, o albergue de peregrinos dá por terminada a jornada. Com alguma pressa, ainda é possível fazer umas fotografias ao ambiente no centro da cidade, bem vivo, por sinal.

IMGP3258 IMGP3259 IMGP3260 IMGP3262

Etapa 4: Pontevedra - Santiago de Compostela

Mais uma vez somos os últimos a abandonar o albergue. Os restantes habitantes, peregrinos a pé, iriam já longe quando nos fizemos ao caminho, após um energético pequeno almoço.

Ao passarmos pelo centro da cidade, aproveitamos para conhecer o interior da Igreja da Virgem Peregrina, curiosamente construída segundo uma planta em forma de vieira.

IMGP3263 IMGP3265 IMGP3266 IMGP3268 IMGP3269 IMGP3270

A praça em frente, apropriadamente chamada de "A Peregrina", e o restante centro da cidade, vivendo a calma de uma manhã ainda sem movimento, com as esplanadas vazias, são interessantes. Até mesmo o mercado, visivelmente recuperado em tempos recentes, chama a atenção dos passeantes, ainda que tenham, para isso, de se desviar do normal caminho.

IMGP3271 IMGP3272 IMGP3273 IMGP3274 IMGP3275 IMGP3276 IMGP3277

Sair da cidade seguindo as setas ou vieiras não é fácil, já o tinha sentido anteriormente. É que, na confusão de cores das fachadas, publicidade, sinais de trânsito e outros, as ditas ficam como que camufladas, transformando o passeio numa espécie de "onde está a seta?" ao vivo. Uma vez encontrado o caminho, atravessa-se a ponte e dali a pouco lá estamos nós percorrendo os tão desejados trilhos.

 

Encontram-se animais pastando...

IMGP3278 IMGP3279 IMGP3280 IMGP3281

...caminhos de bom piso que até permitem fotografar em movimento...

IMGP3282 IMGP3283 IMGP3284 IMGP3285

...mais linhas de água, sempre apetecíveis pela frescura que nos deixam e até figuras tornadas conhecidas pela televisão portuguesa. O Sr. José percorreu inúmeras vezes estes caminhos e os outros que conduzem a Santiago de Compostela, assim como os de Fátima e continua. Terá de concretizar a sua promessa de perfazer seis mil quilómetros em agradecimento por ter sido o único sobrevivente de um naufrágio quando era pescador, na Nazaré. Viaja com uma bicicleta simples, não tem capacete, e carrega uma mochila sobre a qual estende, para secar, uma das duas camisas que traz consigo e que troca regularmente.

IMGP3286 IMGP3287 IMGP3288 IMGP3289

A estrada N-550 vai-nos agora acompanhando com mais frequência, sucedem-se os quilómetros, reencontram-se peregrinos mais madrugadores do que nós e os temas mantêm-se: cruzeiros, locais de culto, trilhos, estrada... e calor! Este aperta tanto que, em certo local, apetece ficar ali mesmo, sob as altas ramadas, gozando um pouco da sua sombra.

IMGP3290 IMGP3291 IMGP3292 IMGP3293 IMGP3294

Uma velha fonte, datada de 1880, aparece no meio, permitindo o merecido refrescamento. Enquadra-se num pequeno largo rodeado de vinhas e algumas, poucas, casas, um pouco ao lado de um velho cruzeiro.

IMGP3295 IMGP3295b IMGP3296 IMGP3297 IMGP3297b IMGP3298 IMGP3299

Atingimos Caldas de Reis e passamos em frente à Igreja. É então obrigatória a visita, em frente à instância termal, à pia "Las Burgas", datada 1881, onde os peregrinos, reza a tradição, lavam os pés em água quente termal.

IMGP3300 IMGP3300b IMGP3300c IMGP3300d IMGP3300e IMGP3301 IMGP3301b IMGP3301c IMGP3301d

Atravessa-se a bonita "Calle Real", bem decorada e admira-se a fachada do mercado local. O tecto da sua porta principal não passa despercebido.

IMGP3301e IMGP3301f IMGP3301g IMGP3301h IMGP3301i

Finalmente... a ponte medieval de Caldas de Reis sobre o rio Bermaña e todo o seu enquadramento circundante. Não tinha ainda passado ali, mas conhecia o local de o ver anunciado em prospectos e revistas. É bonito! É tão bonito que decidimos, apesar de ser ainda algo cedo, almoçar ali mesmo, na esplanada de um pequeno restaurante.

IMGP3302 IMGP3302b IMGP3302c IMGP3302d IMGP3302e IMGP3311 IMGP3312 IMGP3313 IMGP3314 IMGP3314b IMGP3315

Á saída, após um pouco de estrada, regressa-se aos caminhos rurais, com vistas sempre belas.

IMGP3327 IMGP3328 IMGP3329

Mas a melhor das paisagens viria agora, na forma de um bosque que permanece na minha lembrança desde a primeira viagem, em 2002. Este ano, talvez pela luz que era diferente, ou mesmo pelos restos do mato recentemente cortado, castanhos de secos, não senti o mesmo fulgor da visão anterior, mas é sempre bonito, este local.

IMGP3331 IMGP3332 IMGP3333 IMGP3334 IMGP3335

As duas imagens seguintes mostram um troço que possui umas bermas curiosas... Será que pretendem empedrar o resto? Não entendo a razão...

IMGP3336 IMGP3337

 

Seguir-se-ia Cesures e a sua ponte...

IMGP3338 IMGP3339 IMGP3340 IMGP3341 IMGP3342

...e finalmente Padrón. A entrada nesta localidade faz-se por uma bem decorada avenida coberta de plátanos que dá ao viajante, à laia de boas vindas, uma sombra fresca e retemperadora. Ao lado, está o rio Sar que é atravessado por uma ponte, lá ao fundo da avenida.

IMGP3343 IMGP3344 IMGP3345 IMGP3346

Trata-se da ponte de Carmen que, juntamente com a Igreja com o mesmo nome, lá no alto, e até mesmo a sua fonte, dominam a paisagem. Mas o núcleo histórico da cidade é também bonito, com notoriedade para as belas janelas ornamentais, trabalhadas em madeira ou ferro fundido (sem fotos).

IMGP3347 IMGP3348 IMGP3349 IMGP3350 IMGP3351

Havia algum tempo que eu via anunciado um local aprazível, nas imediações, conhecido por Santiaguinho do Monte e tinha intenção de ali passar, finalmente. Mas quando resolvi perguntar onde seria, recebi um redondo "já passaram, é lá atrás"! Com cerca de 20Km para percorrer ainda naquele resto de tarde, resolvemos que ali voltaríamos oportunamente. As imagens seguintes foram tomadas no dia seguinte, na viagem de volta, mas servem bem para mostrar que o local vale bem uma visita.

IMGP3352 IMGP3352b IMGP3352c IMGP3352d IMGP3352e IMGP3352f IMGP3352g IMGP3352h

Passam-se agora, num ziguezaguear constante, várias pequenas aldeias. Embora de aspecto bem tradicional, já se por lá vê algum cimento que estraga as vistas...

Lá mais para o final, numa descida de terra algures no meio do monte, vê-se à direita um grande casario: finalmente já se vislumbra o destino final, a cidade de Santiago de Compostela! Faça-se com as duas bicicletas um improvisado suporte para a câmara fotográfica e memorize-se o momento.

IMGP3353 IMGP3354 IMGP3355

Depois... bem, depois foram alguns quilómetros mais, passando ainda pela íngreme entrada no alcatrão, junto ao hospital (aqui aperta-se-me sempre a garganta, estou a entrar definitivamente em Santiago de Compostela...) e finalmente, em abraço firme com o Zé Ferreira, a entrada triunfal, sempre pedalando, na Praza do Obradoiro, em frente à Catedral que serve de túmulo ao Santo.

Uns minutos, poucos, dedicam-se a esta praça para ver o ambiente. Peregrinos de todas as idades, a pé, de bicicleta, alegres, chorosos, doridos, cansados, sentados, deitados... Chegam a uma cadência impressionante, como se pode constatar também pela longa fila à porta da Oficina do Peregrino, onde se espera imenso tempo para se obter a tão desejada Compostela (no dia seguinte fa-lo-íamos). Após uma visita rápida ao interior da Catedral é necessário sair para se procurar o sempre difícil alojamento, e à noite lá estaríamos novamente.

IMGP3356 IMGP3357 IMGP3358 IMGP3359 IMGP3360 IMGP3361 IMGP3362 IMGP3362b

Na manhã do dia seguinte, após a obtenção da Compostela (a fila tinha voltado...), foi a missa dos peregrinos, com a conhecida prática do "Botafumeiro". É realmente impressionante, ver aquela peça com fumegante incenso, pesando provavelmente algumas dezenas de quilos, ser balançada por uma corda puxada por um grupo de vários homens. A fotografia (além do mais efectuada com o atraso natural a uma máquina digital) é difícil e só depois de várias tentativas se consegue apanhar aquele balancé a meio do seu amplo movimento, quase tocando o tecto. É, asseguradamente, um espectáculo a não perder...

IMGP3367 IMGP3368 IMGP3369 IMGP3373 IMGP3378 IMGP3380

Encontrada a família que nos iria trazer de volta (em veículo bem mais confortável do que a minha 'Zulinha), far-se-iam mais umas fotos finais do local, para a memória de mais uma inesquecível viagem, ou peregrinação, a Santiago de Compostela. A curiosidade de último momento era a "máquina de duas rodas" em que aquele senhor tinha vindo desde a Áustria. Pedalando em posição de quase deitado, pés para cima e o guiador sob o corpo...

IMGP3382 IMGP3383 IMGP3384 IMGP3387

E agora? Bem, como se diz, "uma vez peregrino, para sempre peregrino", provavelmente lá estarei outra vez no próximo ano, quem sabe, para fazer algum caminho diferente! Este foi feito com o meu amigo Zé Manel. Companheiro de longa data, faltava-nos esta experiência marcante. Obrigado Zé e desculpa qualquer coisinha...

Ao leitor desta página (se é que há algum que tenha chegado ao fim): espero ter conseguido mostrar algumas das belezas d'O Caminho, que é simplesmente o meu objectivo. E se, dessa forma, vier a acordar "algum bichinho", então melhor ainda :-) Não há lugar a comentários elaborados às sensações do caminho, porque essas, cada qual vive-as como quer e são suas. Lamúrias não as teço, até porque não as tenho.

E para terminar, como eu costumo dizer em coisas de bicicletas: adeus e até ao próximo empeno!

A. Augusto de Sousa

(augusto.sousa@fe.up.pt)