SDI                                                                                                                                                    QualiFEUP
  • PROCESSO  Gerir Documento
  • SUB-PROCESSO   Processar Documento
  • ACTIVIDADE   Tratamento Técnico
  • TAREFA   TPDD – Descrever Documento
  • AUTOR  Alexandra Manata
  • DATA   2006-07-04        |  VERSÃO  1
 

Instrução de trabalho - Descrever Documento - Cartografia


DEFINIÇÃO

A catalogação de material cartográfico aplica-se aos mapas, cartas aéreas, cartas hidrográficas, foto mapas, desenhos topográficos, globos, etc. A descrição dos dados bibliográficos é com base na ISBD(CM) – Normas Internacionais para Descrição Bibliográfica (Material Cartográfico de 1987 e revista em 1999), que pressupõe o seguimento rigoroso dos princípios e critérios por estas estabelecidas.

RESPONSABILIDADES

Execução: Técnico Profissional e Superior de BD
Nome: Alexandra Manata
Contactos: amp@fe.up.pt

Modo de proceder

Fontes de Informação: os elementos que constam da descrição bibliográfica devem ser retirados:

- do próprio documento (havendo discrepâncias de títulos no próprio documento deve referir-se, o título mais apropriado ou o título que se encontra no bordo do documento);
- do invólucro ou caixa;
- do material acompanhante.

Nota: não esquecer que na descrição do título e menção de responsabilidade, o próprio documento é a principal fonte de informação, tudo que seja retirado de outro local terá que ser incluído dentro de […].

 

Título e Menção de Responsabilidade (campo 200 do Unimarc):

1. Se o documento não tiver título expresso, deve atribuir-se um que, de alguma, forma expresse a região representada:
Ex: [Cidade do Porto] ou [Planta da Cidade do Porto]
[Carta hidrográfica da Ilha dos Açores]

2. Se o documento tiver título expresso, mas este não indicar a região coberta, deve dar-se essa informação como complemento de título, dentro de […]:
Ex: Cidade do Porto: [Praça da República]

3. Se o documento é composto por várias partes e não possui título colectivo, pode-se:

a) descrever o documento como uma unidade;
b) descrever cada parte separadamente;
c) atribuir um título colectivo ao documento.

Ex: Planta da Cidade de Braga; Distrito de Braga
[Mapas turísticos da costa do Algarve]

 

Numeração (campo 206 do Unimarc):

1. Esta zona é preenchida com escalas, projecções, meridianos, paralelos, coordenadas e equinócios. O preenchimento da zona de numeração é precedida da palavra escala seguida da indicação numérica.
Ex: Escala 1: 35 000

2. Quando não existe a indicação de escala, deve-se, por comparação, estabelecê-la. Nestes casos deve fazer-se antecedê-la de ca.
Ex: Escala [ca. 1: 30 000]

3. Quando não for possível determinar a escala, pode-se usar expressões como “escala indeterminada”, “escala variada” ou “não está desenhado à escala”.

4. Se a escala não foi retirada do mapa, deve indicar-se entre […].

5. Em documentos a 3 dimensões, como mapas em relevo, indicar também a escala vertical se for conhecida

6. Opcionalmente, pode indicar-se meridianos, paralelos, coordenadas ou equinócios.
Ex: (E 79º - E 86º / N 20º - N 12º)

 

Colação (campo 215 do Unimarc):

1. Indicar o número de documentos seguido da designação específica do tipo de documento.
Ex: 1 mapa esférico
2 plantas

2. Se existir mais do que um mapa numa mesma folha indicar concisamente.
Ex: 3 cartas aéreas (em 1 f.)

3. Documentos em formato livro, adicionar o número de volumes ou de folhas.
Ex: 1 atlas (3 vol.)
1 atlas (234 p.)

4. Outras indicações físicas. Indicar, por esta ordem:

- p. e b. ou color;
- o material que serve de suporte ao documento (se não for papel).

Ex: 1 mapa: color., plást.

Dimensões do documento:

5. Altura x a largura da face do mapa entre linhas de esquadria.

6. Se o mapa for circular, indicar o diâmetro em centímetros, seguido da frase “de diâm.”
Ex: ; 35 cm de diâm.

7. Se o mapa for irregular indicar as dimensões maiores ou quando difíceis de precisar, as dimensões da própria folha.
Ex: em f. de 60 x 40 cm

8. Opcionalmente indicar a medida em profundidade para modelos em relevo.

9. Se o mapa for desdobrável dar essa indicação

10. Se o mapa for acompanhado de notas explicativas (num outro suporte físico), essa indicação é dada através do indicador de sub campo $e contém nota explicativa.

 

Nota (campo 300 do UNIMARC):

1. No campo 300 indicar que a nota explicativa é catalogada separadamente como monografia e a mesma nota será acrescentada no registo monográfico.

2. A ligação entre o registo cartográfico e o registo monográfico é feita através do campo 410 (colecção).
Ex: 410 b1 $1 0010000…ID….

 

Colecção (campo 225 do UNIMARC):

1. No campo colecção escrever Carta Geológica de Portugal e a respectiva numeração.

 

Titulo na Grafia Actualizada (campo 518 do UNIMARC):

1. Este campo é preenchido sempre que na folha de rosto o título da obra se apresente com grafia em desuso (518 1b $a…).

 

Assunto (campo 606 e 607 do UNIMARC):

1. No campo 606 (nome comum usado como assunto), indicar e distinguir as cartas geológicas das cartas militares.

2. No campo 607 (nome geográfico usado como assunto), indicar sempre, qual a região descrita na carta.

 

Base Lógica (campo BAS):

1. Indicar o código do material cartográfico (06).
Ex: BAS bb $a 06

 

Fonte de Origem (campo 801):

1. Indicar o país, a instituição e a regras de catalogação usadas na descrição bibliográfica.
Ex: 801 b0 $a Portugal
$b FEUP
$g ISBD(CM)

 

Construção da Cota:


1. A cota da cartografia é construída tendo em conta os seguintes elementos:

a) Notação CDU (528);
b) Primeira(s) letra(s) da região representada;
c) Indicação do número da folha correspondente à série.

Ex: 528/PR126

 

Esquema para descrição de material cartográfico (Formato ISBD):

Exemplo 1

Título próprio [material cartográfico] = título paralelo : complemento de título / menção de responsabilidade.- Edição.- Escala. Outra informação de escala ; coordenadas; equinócio.- Local de edição : nome do editor , data de edição (local de impressão : nome do impressor , data de impressão).- N.º de doc. : outras indicações físicas ; alt. X larg. + material acompanhante.- (Título da colecção ; n.º)
Notas

Exemplo 2

 

Esquema para descrição de material cartográfico (Formato Completo):

 

Esquema para descrição de material cartográfico (Formato UNIMARC):

Nota: As cartas geológicas e militares não são requisitáveis, mas as notícias explicativas tem estatuto 10 (requisitáveis por uma semana).

Na catalogação da Notícia Explicativa, a ligação é feita no registo da carta (formato MP) através do campo 410 do UNIMARC (colecção). A Notícia Explicativa é catalogada em formato livro (BK), é magnetizada e carimbada, tem código de barras e a cota é construída com base na CDU + se é uma carta geológica ou militar (ex. CGP e/ou CMP), a região coberta e a numeração correspondente à folha da carta coreográfica de Portugal.

Ex: 528/CGP/MB14-B

 

Esquema para descrição da notícia explicativa (Formato ISBD):

 

Esquema para descrição da notícia explicativa (Formato Completo):

 

Esquema para descrição da notícia explicativa (Formato UNIMARC):

 

Recomendações

1º As cartas geológicas e militares são sempre arrumadas nas gavetas dos armários para o efeito existentes no piso 4. As notícias explicativas são arrumadas nas estantes em livre acesso mediante a cota atribuída.
2º As cartas geológicas e militares são arrumadas nas gavetas do piso 4 separadamente.

Erros a evitar

Nunca registar um novo título sem primeiro efectuar várias pesquisas no módulo OPAC do ALEPH e/ou no catálogo em linha da biblioteca: biblioteca.fe.up.pt

Recursos

Materiais: -
Instrumentos Normativos: ISBD(CM) (Normas Internacionais para Descrição Bibliográfica – Material Cartográfico rev. em 1999) http://www.ifla.org/VII/s6/news/isbd.pdf, Manual UNIMARC – Edição em língua portuguesa: 2002, Módulo OPAC do ALEPH e catálogo em linha da biblioteca da FEUP.
Equipamento: PC