Filatelia

Mammalia

3. Nós, os Mamíferos (1ª parte)

Ordem MONOTREMATA

Os monotrématos, que incluem duas famílias com um total de apenas duas espécies, são, em termos evolutivos, um mistério por desvendar. Põem ovos, têm bico como as aves, mas têm pelos e glândulas mamárias, embora não tenham mamilos!

Família Tachyglossidae

Os equidnas, dos quais existem duas espécies, são cobertos por pêlos ásperos e espinhos rígidos. Não têm dentes, esmagando entre a língua e o céu da boca os insectos de que se alimentam. São exclusivos da Austrália, Tasmânia e Nova Guiné.

Equidna-da-Austrália

(Tachyglossus aculeatus)

Equidna-de-Bruijn

(Zaglossus bruijni)

Família Ornithorhynchidae

O ornitorrinco tem uma aparência tão estranha que, quando foi descoberto, no século XVIII, os zoológos pensaram tratar-se de uma fraude! É um animal semiaquático, muito bem adaptado ao seu meio.

Ornitorrinco (Ornithorhynchus anatinus)

Ordem MARSUPIALIA

Apesar de que, quando ouvimos falar de marsupiais, nos venha à memória o canguru, a coala e pouco mais, a verdade é que existem cerca de 250 espécies destes mamíferos e só de cangurus há cerca de 57 espécies diferentes! Ainda que existam marsupiais nas Américas e na Australásia, é na Austrália que atingiram um máximo de diversificação, ocupando os vários nichos ecológicos. A sua principal característica é a existência do marsúpio, uma bolsa do corpo das fêmeas, onde as crias terminam o seu desenvolvimento após a gestação muito curta no interior do útero.

Família Didelphidae

Os opossuns e sarigueias, com mais de 70 espécies, são animais com aparência de ratos que se distribuem por quase toda a América.

Opossum-rato

(Marmosa murina)

Opossum-rato-de-Trinidad

(Marmosa robinsoni)

Opossum-de-4-olhos-castanho

(Metachirus nudicaudatus)

Família Microbiotheriidae ,   Família Caenolestidae

Família Dasyuridae

As cerca de 49 espécies de dasiurídeos, popularmente designados por ratos-marsupiais e gatos-marsupiais, incluem desde pequenos animais do tamanho de um rato até grandes predadores. O mais conhecido destes marsupiais australianos é certamente o diabo-da-Tasmânia, celebrizado por um divertido desenho animado.

Gato-marsupial-da-Nova-Guiné

(Dasyurus albopunctatus)

 

Gato-tigre (Dasyurus maculatus)

 

Diabo-da-Tasmânia

(Sarcophilus harrisi)

Família Myrmecobiidae

O numbate ou formigueiro-marsupial é a única espécie desta família. Habita o Sudoeste da Austrália e está em perigo de extinção.

Numbate

(Myrmecobius fasciatus)

Família Thylacinidae

Esta família tem, ou melhor, tinha uma única espécie, uma vez que o lobo ou tigre-da-Tasmânia está considerado extinto. Recentemente, foi noticiada uma experiência científica que, a partir de ADN obtido de um cadáver conservado em museu, visa conseguir a recuperação da espécie. Será possível?

Lobo-da-Tasmânia (Thylacinus cynocephalus)

Família Notoryctidae

Família Peramelidae

As cerca de 17 espécies da bandicutes habitam a Austrália e a Nova Guiné, têm aspecto de ratos grandes, com garras poderosas nas patas posteriores e são bons escavadores.

Bandicute-vermelho

(Echymipera rufescens)

Família Thylacomyidae

Após a extinção do bandicute-coelho-pequeno, no século XIX, esta família está reduzida a uma única espécie, também ela em perigo de extinção.

Bandicute-coelho (Macrotis lagotis)

Família Phalangeridae

A família dos opossuns australianos conta, actualmente, com 12 espécies, espalhadas pela Austrália e Nova Guiné. Com um tamanho semelhante ao de um gato doméstico, têm cauda preênsil, vivem nas árvores e são nocturnas.

Opossum-australiano-de-cauda-espessa

(Trichosurus vulpecula)

Cuscus-malhado

(Phalanger maculatus)

Falangerídeo-vulgar

(Phalanger orientalis)

Família Burramyidae

Os planadores-pigmeus, dos quais existem sete espécies, são pequenos opossuns arborículas, do tamanho de um rato. Possuem membranas alares entre os pulsos e os calcanhares, que lhes permitem planar. Vivem no Leste e Sudeste da Austrália.

Opossum-de-cauda-de-penas

(Distoechurus pennatus)

Planador-pigmeu

(Acrobates pygmaeus)

Família Petauridae

Os petauros são também planadores, podendo os maiores planar mais de 100 metros de árvore para árvore, usando a longa cauda como leme. Há cerca de 22 espécies, todas na Austrália e Nova Guiné.

Opossum-de-Leadbeater

(Gymnobelideus leadbeateri)

Opossum-planador-gigante

(Schoinobates volans)

Opossum-de-dedos-longos

(Dactylopsila palpator)

Família Macropodidae

As cerca de 57 espécies de cangurus e valabis têm tamanhos que vão do de uma ratazana aos imponentes 1,60 metros do canguru-vermelho. A sua principal característica são as grandes patas posteriores que lhes permitem os grandes saltos que usam na locomoção, usando a longa e poderos cauda como balanceiro. Habitam a Austrália, Tasmânia, Nova Guiné e as Ilhas Bismarck.

Canguru-cinzento-oriental

(Macropus giganteus)

Euro

(Macropus robustus)

Valabi-de-cauda-pontiaguda

(Onychogalea fraenata)

 

Valabi-dos-pântanos

(Wallabia bicolor)

Canguru-arborícola-de-Matschie

(Dendrolagus matschiei)

Família Phascolarctidae

A única espécie desta família, o coala, dispensa apresentação tal a sua popularidade. O seu aspecto de ursinho de peluche grangeou-lhe enorme simpatia e, provavelmente, salvou-o da extinção. Na verdade, durante as primeiras três décadas do século XX, foram caçados pela sua pele, tendo sido exportadas muitos milhões.

Coala

(Phascolarctos cinereus)

Família Vombatidae

As três espécies de vombates, cujo aspecto lembra o dos texugos ou de pequenos ursos, habitam a Austrália e a vizinha Tasmânia. À semelhança dos coalas, têm um marsúpio que abre para trás.

Vombate-de-nariz-nú

(Vombatus ursinus)

Vombate-de-nariz-peludo-de-Queensland

(Lasiorhinus kreffti)

Vombate-de-nariz-peludo-do-Sul

(Lasiorhinus latifrons)

Família Tarsipedidae

Ordem EDENTATA

Com o nome popular de Desdentados, estes mamíferos devem o seu nome à redução evolutiva dos dentes ou à sua perda. Incluem os ursos-formigueiros, as preguiças e os tatus.

Família Myrmecophagidae

Os ursos-formigueiros e os tamanduás são todos eles americanos, vivendo desde o México até ao Norte da Argentina. Têm focinhos compridos, não têm dentes e possuem uma língua comprida e pegajosa que usam para capturar os insectos de que se alimentam.

Tamanduá-bandeira (Myrmecophaga tridactyla)

 

Tamanduá (Tamandua tetradactyla)

Família Bradypodidae

A família das preguiças-de-três-dedos conta apenas com três espécies, todas habitando as florestas tropicais da América Central e do Sul. São herbívoros, tão altamente adaptados à vida nas árvores que passam a maior parte da sua vida suspensos delas, sendo incapazes de marchar normalmente no solo.

Preguiça-de-garganta-clara

(Bradypus tridactylus)

Família Megalonychidae

As duas espécies das preguiças-de-dois-dedos, anteriormente incluídas na família anterior, têm, aliás, hábitos de vida semelhantes e vivem na mesma região. Nesta família incluem-se também as preguiças terrestres já extintas.

Preguiça-de-dois-dedos-de-Lineu (Choloepus didactylus)

Família Dasypodidae

Existem cerca de 20 espécies de tatus, todas elas no Novo Mundo, desde os Sul dos Estados Unidos até ao Chile e Argentina. São animais escavadores, com placas córneas espessas e articuladas cobrindo o dorso e os lados do corpo. Alguns podem enrolar-se em bola, tornando-se, assim, quase invulneráveis aos seus predadores.

Tatu-de-seis-faixas

(Euphractus sexcintus)

 

Tatu-gigante (Priodontes maximus)

 

Tatu-de-nove-faixas (Dasypus novemcinctus)

 

Todas as imagens desta secção reproduzem peças filatélicas minhas e foram digitalizadas por mim. Todos os direitos de utilização destas imagens estão reservados.

Ó 2003 Franclim Ferreira.

Seguir para a subsecção seguinte

Voltar ao índice da secção Mammalia

Voltar ao índice da secção Filatelia

Entrada | Currículo | Ensino | I&D | Gostos | Ligações

Voltar ao topo