1/43rd Scale Model Cars

A bit of the 1/43rd scale history

The Dinky Toys, manufactured by the famous Meccano Ltd. (GB), cheered several generations of little boys, which, yesterday like today, shared their preference between footballs and cars! The first die-cast models, in a scale near 1/48th, were produced, around 1910, by Tootsietoy (USA) and by SR (F). They were followed by some other productions in France, Great Britain and Germany. In the thirties, an important innovation revolutionized the model cars manufacturing: the substitution of the lead by a zinc alloy named zamac (the other letters refer to magnesium, alluminium and copper, the other elements of the alloy). This alloy had the advantage of being lighter and more resistant, what allowed a remarkable improvement of the models quality. However, it had the awkward, even with low levels of impurities, of suffering of a phenomenon known as "fatigue" that led to a progressive disintegration of the model. Only after the II World War, the technological evolution allowed to overcome this problem.

By this time, Dinky Toys on beginning the production of model cars to be used as accessories in the electric trains dioramas, launched the passion (and the industry) of die-cast model cars. Dinky was followed by Märklin (Germany), Mercury (Italy) and later by the French branch of Dinky Toys and Solido, also from France, Corgi Toys and Spot-On (Great Britain). It is, though, only after 1950, that the 1/43rd scale became stable, more accurate replicas were produced and the number of manufacturing companies grew.

Mercury (1960)
Lancia D50

Solido (1957)
Maserati 250

Corgi Toys (1957)
B.R.M.

"Why the 1/43rd scale?" one can ask. The answer should be found in the electric trains. In fact, the first model cars in a scale near 1/43rd showed up with the purpose of enhancing the electric trains dioramas of "0" gauge. However, in spite of the fact that this gauge corresponded to the 1/43rd scale exactly, the first Dinkies that were produced with that very purpose had a scale between 1/45th and 1/55th! This lack of definition remained in the post-war and only in the late fifties can we see the stabilization of the 1/43rd scale, a trend that, curiously, has been initiated by the French Dinky, just after the end of the war (a practice not followed by the main factory!).

In the first years of post-war, the panorama is frankly dominated by Dinky. Its series 23, with Grand Prix model cars, like Cooper-Bristol, Alfa-Romeo, Ferrari, HWM and Maserati, had an extraordinary success and its production lasted for more than 10 years. The HWM, pictured on the right, with original painting and tyres, is exemplifying.

A great variety of models of everyday cars, without glasses or interiors, but reproducing the cars we could see on the street, also delighted the little boys like me.

HWM -1951 (Dinky Toys - 1952/59)

However, my preferences went, beyond the Formula 1 cars, for the sport cars, which are the case of the Aston Martin pictured below.

Aston Martin DB3S - 1954 (Dinky Toys - 1955/59)

But, the car of my dreams, in those childhood years, was the MG Midget in its sporting version!

It was the car, which I always tried to borrow from my friend Paulinho for our contested races on the cemented floor of the garage! Later, when my parents' reluctance to give me money for buying such insignificant toys has already been overcome, I have tried in vain to buy one of these models! It was out of production and the closest thing I could get was the road version and ... in second hand!

The original painting was an awful light green in very poor condition and the windscreen was broken. So, I have decided to restore it and the result is what we can see on the right.

During the 1950 decade, the models quality has evolved fast: the closed cars had glasses and interiors, the tyres gained a more realistic look and the wheels became accurate replicas of the true cars' ones.

MG Midget TD - 1950 (Dinky Toys - 1957/60)

In the sixties, an extraordinary burst of innovations happened: opening doors and lids, movable seat backs, suspension and even wheels controlled by the steering wheel!

Two splendid models of Tekno (DK) mark the beginning of the decade: the Mercedes 300 SL and the Jaguar E type. Both models could be disassembled in more than a dozen pieces, the doors could be opened, the boot lid and the bonnet also, showing, respectively, the spare wheel and an excellent reproduction of the engine! But, the ultimate refinement was that pressing over one of the front mudguards, the wheels turned to that side, allowing steering the car!

Jaguar E - 1961 (Tekno (1964))         

     Mini Marcos GT 850 - 1966 (Corgy Toys - 1968)

By the late sixties abound the remarkable realizations. From Corgi Toys, I would stand out the Mini Marcos GT 850, which allowed, through four little levers located in the base of the car, removing each one of the wheels! Besides, each lever, when lifted, simulated the jack as it supported the car!

Naturally, the model has opening doors and bonnet, interiors, a replica of the engine and realistic wheels.

 

Another gorgeous model is due to Politoys, an Italian manufacturer that, in the beginning of the decade, had replaced Mercury in the lead of transalpine production: the Alfa-Romeo Zagato GS 1750, besides a superb car in the original. The number of details is quite impressive! Not only the model is globally excellent, but the doors can be opened, the two halves of the bonnet also (though one at a time) showing the engine replica, the windscreen can be lowered, the interior is perfect, the hood can be removed (and substituted by a replica of a lowered hood) and ... the steering wheel controls the front wheels!

Alfa Romeo Zagato GS 1750 - 1930 (Politoys - 1967)      

Meanwhile, Solido (F) was gradually imposing itself. Its production, initiated in the thirties, with different scales, gets stabilized in the 1/43rd by 1957 and refines progressively. First, through the moulds quality, later by the richness of details and the fidelity of the reproductions, mainly the sporting ones. It will become the leader of commercial production in the seventies.

The Lamborghini P400 Miura was not only a fantastic super car (that shook the Ferrari's supremacy) but also allowed Solido producing a true supermodel!

Ferruccio Lamborghini said during the car presentation in the Salon of Turin that was building "a dream car for a few crazy people"!
Fortunately, Solido made come true the dream of many thousand of crazy people of owning a Miura ... though 43 times smaller than the real one! Characteristics: perfect mould, exact colour, detailed interiors, opening doors and lids, engine, spare wheel and steering controlled by pressing on the front mudguards!

Lamborghini P400 Miura - 1967 (Solido - 1968)

Not ready yet, but you can see the pictures!

Chaparral 2F - 1967 (Solido - 1968)

Em 1967, o construtor americano de carros desportivos Jim Hall surpreendeu tudo e todos com um carro equipado com um aerofólio de inclinação controlada por um pedal. Dessa forma, o aerofólio poderia ser usado para, à saída das curvas, aumentar a transmissão da potência ao solo das rodas motrizes, sem prejudicar o arrasto nas zonas de alta velocidade.

Em 1968, a Solido brindou-nos com uma réplica excelente desse interessante carro em que o aerofólio era comandado pela pressão exercida sobre a traseira!

Contudo, a maior novidade dos anos 60 é, na minha opinião, a consagração do coleccionismo de minimodelos. Na verdade, até então, as miniaturas de automóveis eram, antes de mais, brinquedos. Todas as inovações introduzidas como interiores realistas, vidros, portas e tampas de abrir, suspensões, etc., destinavam-se, prioritariamente a cativar os jovens clientes desses carrinhos.

Havia, entretanto, milhares de jovens que tinham crescido a brincar com os Dinky Toys, que continuavam a gostar de automóveis, mas que, tendo-se tornado adultos ... já não brincavam! Mas podiam coleccionar. E coleccionavam! Não admira que houvesse quem tivesse percebido que havia um mercado potencial para miniaturas mais refinadas, de temas mais sofisticados.

É assim que, nos anos 60, surgem fabricantes a produzir miniaturas destinadas exclusivamente a coleccionadores. Um desses fabricantes, a italiana Rio, dedicou-se inicialmente à reprodução de carros veteranos, um tema que, só por si revela um público alvo bem distinto dos rapazinhos que brincam com pópós!

O Itala 24/40 cv, vencedor do raid Pequim-Paris em 1907, é um dos primeiros modelos da Rio, realizado com uma qualidade inusitada para os padrões da época.

Itala 24/40cv - 1907 (Rio - 1961)           

Nos anos 70, o fabrico de modelos para coleccionadores ganhou um impulso ainda maior com o aparecimento de kits metálicos, produzidos artesanalmente. Foi uma autêntica dádiva dos céus para os coleccionadores que, assim, viram finalmente a possibilidade de obter modelos de grande interesse histórico, mas que nunca tinham merecido os favores dos fabricantes industriais.

O mais relevante desses fabricantes artesanais foi o inglês John Day, um coleccionador que, farto de não conseguir os modelos que lhe interessavam, se resolveu pela sua construção e, em boa hora, se decidiu a comercializá-los. Entusiasta das 24 Horas de Le Mans, a sua linha dedicada aos vencedores da célebre prova veio permitir que outros coleccionadores como eu, pudessem adquirir esses tão desejados modelos. É o caso do Talbot, vencedor da edição de 1950, ao lado representado.

Talbot 4483cc - 1950 (John Day - c. 1970)      

 

   E.R.A. - 1934 (Auto Replicas - 1972)

Outro fabricante artesanal que marcou a década de 70, foi a Auto Replicas (GB). Realizou um número escasso de modelos e teve uma presença ainda mais efémera do que John Day! Foi pena, até porque os seus kits tinham uma qualidade notável!

O modelo do E.R.A. de 1934, um carro que animou as corridas de Grande Prémio, na categoria de voiturettes, antes da II Guerra Mundial, ilustra bem a perfeição da produção deste fabricante.

 

Mas, é nos anos 80 que haveria de se produzir o grande boom na produção de modelos exclusivamente para meninos grandes e que criaria as características de que ainda hoje se reveste a disponibilidade comercial de minimodelos 1/43.

Logo no princípio da década surge a italiana Brumm. Começando pela produção de modelos de coches e carruagens, seguida de viaturas pré-automóveis, cedo lançou a linha revival, dedicada a modelos de carros da primeira metade do séc. XX. Hoje, é um dos fabricantes mais poderosos e mais conceituados de miniaturas de carros à escala 1/43.

A qualidade da sua produção pode ver-se no modelo ao lado, o Fiat S74 de 1911, cujo impressionante motor de 14000 c.c. permitia a velocidade de 165 km/h!

Fiat S74 - 1911 (Brumm - c. 1980)        

 

Em 1983, também Portugal ganhou um lugar importante na indústria dos minimodelos, através da Vitesse. Não foi uma estreia, pois já em 1966, a Metosul tinha fabricado alguns modelos e, nos fins da década de 70, a Luso Toys tentou impor-se neste difícil sector industrial. Mas, foram iniciativas que, infelizmente, não vingaram!

Com a Vitesse tudo foi diferente! Em poucos anos, dada a qualidade dos seus modelos e a diversidade do seu catálogo, tornou-se um dos fabricantes de primeiro plano a nível mundial. Ao lado, o primeiro modelo da Vitesse, o Lancia 037, vencedor da Volta à Córsega de 1982.

Lancia 037 - 1982 (Vitesse - 1983)       

Posteriormente, a Vitesse criou outras marcas, das quais destaco a Onyx e a Quartzo, orientadas para os modelos de carros desportivos. Um aspecto de grande relevância para mim foi a atenção dedicada à Fórmula 1, tão desprezada por outros fabricantes até então! Primeiro, a Onyx, e depois a Quartzo, trouxeram-nos, finalmente, a nós coleccionadores a possibilidade de conseguir magníficas réplicas dos carros que tantas emoções têm trazido aos amantes do automobilismo!

O tema das 24 H de Le Mans também não foi ignorado para satisfação dos muitos coleccionadores fans da célebre prova. Os dois modelos seguintes ilustram a qualidade das realizações da fábrica portuguesa.

McLaren Honda MP4/4 - 1988 (Onyx - 1989)

Porsche 935 K3 - 1979 (Quartzo - 1994)

Merecido destaque merecem também os modelos "abertos", como este Renault de Alain Prost, vencedor do GP do Brasil de 1982.

No fim dos anos 90, a Vitesse deslocou a sua produção para a R.P. da China e, pouco depois, foi comprada pela Ixo!

Renault RE30B - A.Prost 1º GP Brasil 1982 (Quartzo)      

 

A meio da década, outro excelente fabricante italiano fez a sua aparição: a Box. Moldes perfeitos, pintura cuidada e grande rigor nos detalhes, permitiram à Box atingir rapidamente um lugar de relevo no panorama da miniatura 1/43.

     Ferrari 250 GTO (Box - 1985)

Isso, e uma inteligente gestão do catálogo! Como a Brumm e a Vitesse já faziam, e todos os fabricantes hoje fazem, a Box disponibilizava várias personalizações do mesmo modelo. Desta maneira, o elevado custo do molde, o factor de produção mais relevante, é distribuído por várias referências. Assim, um mesmo coleccionador é levado a comprar mais do que um exemplar do mesmo modelo, aumentando as vendas que, doutra forma, seriam significativamente menores. Por exemplo, o Ferrari 250 GTO, ao lado, teve, pelo menos 11 personalizações diferentes!

À Box, seguiu-se a Progetto K, também italiana. Especialmente vocacionado para a reprodução das marcas italianas, este fabricante tem tido uma produção relativamente pequena, mas de grande qualidade, como é patente no modelo do belo Ferrari 340 America, ao lado reproduzido.

Ferrari 340 America - 1952 (Progetto K - 1986)    

 

A década de 90, que viria a mostrar-se tão ou mais prolífera do que a anterior, começou com um acontecimento que classifico como dos mais notáveis de toda a história da 1/43! A Herpa, fabricante alemão até então dedicado à escala 1/86, com vista à decoração dos dioramas de comboios eléctricos da escala H0, fez a sua estreia na escala raínha da miniatura automóvel. E que estreia!

Em três anos sucessivos, lançou três modelos de Ferraris, o 348 tb, o Testarossa e F40, qual deles a réplica mais extraordinária! A miniatura é de plástico injectado com uma perfeição que eu julgava impossível nesta escala tão reduzida! A linha geral é, obviamente, irrepreensível. A riqueza de pormenores, desde a exactidão dos emblemas exteriores ao nível sumptuoso de reprodução dos interiores, é insuperável.

Como se vê, ao lado, na foto do 348 tb, as portas e as tampas da mala e do motor abrem. Dir-se-á que não é novidade nenhuma, pois já nos anos 60 vários fabricantes ofereciam essa característica nos seus modelos. Simplesmente, nestes modelos da Herpa, fechadas as portas e as tampas, as juntas são tão finas que são quase imperceptíveis! Quem não souber que essas peças são móveis, dificilmente suspeita dessa possibilidade! Aliás, não é fácil abri-las pois não se consegue meter a unha!

Finalmente, supremo requinte, a qualidade do modelo é tão grande que as aletas de ventilação, existentes na tampa do motor, permitem ver à transparência! (Coloque o cursor sobre a foto para ver uma ampliação de pormenor.)

Ferrari 348 tb (Herpa - c. 1990)

E o que é mais espantoso é que o preço destas miniaturas nem sequer era muito mais elevado! Infelizmente, a Herpa, depois destas três miniaturas, abandonou esta linha de fabrico de super modelos!

 

     Ferrari 375 plus - 1954 (Top Model - 1993)

Durante 20 anos, Francesco De Stasio dedicou-se à produção de excelentes kits, os automodelos F.D.S. Em 1993, iniciou o fabrico de modelos em zamac, criando a Top Model Collection. Com uma judiciosa escolha dos modelos, realizados com alta qualidade, é hoje um dos fabricantes italianos mais reputados. Veja-se, ao lado, o excelente modelo do Ferrari 375 plus, vencedor das 24 H de Le Mans de 1954.

Também em 1993, surgiu a Art Model, outra marca italiana, exclusivamente dedicada à Ferrari (bom gosto!). O belo Ferrari 166M, que averbou a primeira vitória da marca nas 24 H de Le Mans, em 1949, é um dos primeiros modelos que realizou e cuja qualidade é evidente na foto ao lado.

Ferrari 166M (Art Model - 1994)          

Em meados da década, a Box cindiu-se em duas novas marcas, a Bang e a Best, que têm continuado a tradição de boa qualidade que aquele fabricante tinha estabelecido. Os dois modelos a seguir reproduzidos são bons exemplos do alto padrão de fabrico destes produtores de miniaturas.

Ford MKII (Bang - 1994)

Ferrari 750 Monza (Best - 1995)

 

A Minichamps, marca da Paul's Model Art, iniciou-se na produção de miniaturas no início dos anos 90 e, em meados da década, era já um dos mais poderosos fabricantes de modelos para colecção, não só à escala 1/43, mas também nas escalas 1/8 e 1/18. Dedicando-se especialmente aos carros de corrida, actuais e do passado, este fabricante alemão é um dos que tem proporcionado aos coleccionadores a felicidade de completar as suas colecções, em particular de Fórmula 1, tão difíceis de realizar no passado.

Benneton Renault B195 - 1995 (Minichamps - 1995)        

 

     Alfa-Romeo 8C - 1934 (Starter - c. 1999)

A Starter, fabricante francês de excelentes kits de resina, a par da sua associada Provence Moulage, passou a fornecer, a partir dos anos 90, os seus modelos já montados. A magnífica qualidade das suas miniaturas e a especial atenção dedicada às 24 H de Le Mans (o seu catálogo inclui todos os vencedores!) faz da Starter um dos fabricantes mais apreciados pelos coleccionadores.

A última grande adição ao panorama das miniaturas 1/43 é a Hot Wheels, uma marca da poderosa multinacional Mattel. Os seus modelos, de grande qualidade e rigor, ombreiam com o que de melhor se fabrica, como se pode ver na foto ao lado, do Ferrari F399 de Eddie Irvine.

Ferrari F399 - 1999 (Hot Wheels - 1999)     

 

Os coleccionadores de miniaturas automóveis 1/43 vivem um período feliz. Há um número considerável de fabricantes, oferecendo modelos variados, realizados com grande perfeição, a preços relativamente acessíveis. Longe vão os tempos em que os coleccionadores sonhavam, em vão, com modelos míticos impossíveis de conseguir ou só acessíveis àqueles que, graças a uma bolsa recheada, os podiam encomendar aos grandes artesãos ou que, dispondo de grande habilidade, os fabricavam eles próprios. É claro que há ainda muitos modelos com lugar reservado nas prateleiras das nossas vitrinas ou da nossa imaginação! Mas os tempos são promissores! Talvez amanhã os possamos ter!

 

Todas as imagens de miniaturas desta secção reproduzem modelos meus que foram fotografados por mim. Todos os direitos de utilização destas imagens estão reservados.

Ó 2002 Franclim Ferreira.

Back to the 1/43 Model Cars Index

Entry | C. Vitae | Teaching | R&D | Passions | Links

Back to the top