Diferenças entre edições de "IPD"

Da wiki WIQI GEQUALTEC
Ir para: navegação, pesquisa
(Avaliação contratual da criação do IPD)
Linha 64: Linha 64:
 
A dificuldade de uma mudança para o projeto integrado reside na cultura de trabalho e a estrutura de contrato existentes, que não refletem a partilha dos riscos e dos benefícios.
 
A dificuldade de uma mudança para o projeto integrado reside na cultura de trabalho e a estrutura de contrato existentes, que não refletem a partilha dos riscos e dos benefícios.
  
No caso de obras privadas, como é óbvio, a escolha de qualquer tipo de metodologia é possível, mas no caso de uma [[obra pública]] existem dificuldades regulamentares existentes. Uma metodologia IPD necessita da presença da maioria dos intervenientes da obra desde dos primórdios da conceção do projeto. Atualmente nas obras públicas, pelo [[Código dos Contratos Públicos]], a melhor opção da utilização do projeto integrado reside numa concessão da obra. Nos outros casos de obras públicas, as fases de conceção do projeto e construção serão sempre separadas por duas fases de concurso. Contudo, por critérios e exposição dos procedimentos pretendidos, uma metodologia algo semelhante ao IPD seria praticável <ref name="Ribeiro">Ribeiro, David Correia - Avaliação da aplicabilidade do IPD em Portugal. Faculdade de Engenharia da Universidade do Porto. 2012.</ref>. O governo também poderia, a título de investigação, realizar algumas obras para testar o projeto integrado, a partir do ajuste direto.
+
No caso de obras privadas, como é óbvio, a escolha de qualquer tipo de metodologia é possível, mas no caso de uma [[obra pública]] existem dificuldades regulamentares existentes. Uma metodologia IPD necessita da presença da maioria dos intervenientes da obra desde dos primórdios da conceção do projeto. Atualmente nas obras públicas, pelo [[Código dos Contratos Públicos]], a melhor opção da utilização do projeto integrado reside numa concessão da obra. Nos outros casos de obras públicas, as fases de conceção do projeto e construção serão sempre separadas por duas fases de concurso. Contudo, por critérios e exposição dos procedimentos pretendidos, uma metodologia algo semelhante ao IPD seria praticável <ref name="Ribeiro">Ribeiro, David Correia - Avaliação da aplicabilidade do IPD em Portugal. Faculdade de Engenharia da Universidade do Porto. 2012.</ref>.  
 +
O governo também poderia, a título de investigação, realizar algumas obras para testar o projeto integrado, a partir do ajuste direto.
  
 
=== Comparação entre as fases do IPD e da metodologia tradicional portuguesa ===
 
=== Comparação entre as fases do IPD e da metodologia tradicional portuguesa ===

Revisão das 21h15min de 8 de outubro de 2012

O Integrated Project Delivery (IPD), ou no português Projeto Integrado, designa um novo tipo de metodologia de entrega de projetos. A sua principal marca de reconhecimento reside na sua grande interoperabilidade e colaboração entre os vários intervenientes, desde do início do projeto até à entrega do mesmo [1]. Esse conceito visa aproveitar a sabedoria e o conhecimento de todos os participantes, no intuito de otimizar e acrescentar valor ao projeto e à obra.

Visão da interoperabilidade [2].

Princípios

O projeto Integrado pode ser apresentado pelos seguintes conceitos [3]:

  • Respeito mútuo, todos estão comprometidos a trabalhar como equipa no melhor interesse para o projeto;
  • Benefício comum, as compensações do projeto integrado são baseadas no valor e no risco tomados por cada interveniente;
  • Definição antecipada dos objetivos principais, os objetivos são definidos prematuramente pelos participantes;
  • Comunicação, as responsabilidades estão claramente definidas numa perspetiva de identificação e resolução de problemas e não na determinação do seu responsável;
  • Tecnologia apropriada, num projeto integrado o uso de tecnologias avançadas é muito aconselhado pelo bem da interoperabilidade global;
  • Liderança, a liderança deverá ser tomada pela pessoa mais capaz pelo trabalho existente;
  • Planeamento intensificado, o projeto integrado parte no pressuposto que um aumento de esforço no planeamento resulta num aumento de eficiência e redução de custos durante a construção;
  • Inovação colaborativa e tomadas de decisão, a inovação é estimulada quando as ideias são trocadas de forma livre entre todos os participantes.

O IPD combina uma elevada colaboração com o pensamento da Lean Construction, de modo a tentar resolver muitos dos problemas das construções contemporâneas, como a baixa produtividade, os desperdícios criados, os desvios dos prazos, os conflitos e as questões de qualidade.

Ferramentas

Os software de ajuda à construção civil estão a evoluir e já são capazes de gerir quantidades enormes de informação, nomeadamente as novas ferramentas BIM de Building Information Modeling, proporcionando capacidades significativas de gestão e análise. A metodologia IPD funciona sem a utilização das ferramentas BIM, porém são fortemente preconizadas de modo a obter uma utilização adequada do projeto integrado.

A característica introdução de informação e a aplicação de um modelo geral das ferramentas não é muito viável no meio fragmentado simbólico do processo tradicional construtivo, encontrando-se de outra forma perfeitamente enquadrado na interoperabilidade existente do projeto integrado. Por um lado BIM, como modelo digital, é a ferramenta mais eficaz no suporte ao projeto integrado[4]. Por outro lado, o IPD produz o ambiente perfeito onde se pode aproveitar o máximo potencial das ferramentas BIM.

A utilização das ferramentas BIM no seio de um IPD também pode melhorar em muito o fluxo de informação durante o ciclo de vida da obra. Essa melhoria pode ser obtida principalmente por dois meios:

  • Os modelos BIM podem funcionar como único repositório para toda a informação;
  • O IPD pode assegurar que todos os intervenientes sejam continuamente em relacionamento para manter o fluxo de informação ininterrupto;

Implementação

Tipos de IPD

A implementação de uma metodologia IPD pode representar fortes melhorias no desempenho e na produtividade de uma obra. Contudo, pelos fluxos de trabalho muito divergentes daqueles existentes nas metodologias tradicionais, o projeto integrado requere grandes mudanças de mentalidades por parte dos intervenientes.

Uma metodologia de Projeto Integrado completo é representada pela soma de muitas características. Porém, de forma a uma passagem mais aprazível para uma utilização total da metodologia, existem níveis intermédios associados somente à aplicação de algumas das características do IPD[5].

Vantagens

As mudanças organizacionais na utilização de um IPD no processo construtivo apresentam potencialmente muitas vantagens relativas aos vários intervenientes, aos processos, à comunicações entre outros, enumeram-se as seguintes:

  1. Definição antecipada dos objetivos principais;
  2. Melhores escolhas devido a um processo de decisão claro;
  3. Rigor e cuidado na pormenorização;
  4. Maior eficiência;
  5. O conhecimento e a experiência individual são realçados para o bem coletivo;
  6. Maior entendimento entre os membros das equipas devido à maior integração;
  7. A gestão é previsível e controlada;
  8. A maior integração do cliente nos processos possibilita um maior conhecimento na base das suas opções.

Um aspeto importante reside na boa inserção do projeto integrado face ao tipo de tecido empresarial português, constituído maioritariamente por PME (Pequenas e Médias Empresas), devido às suas principais características, como a sua objetividade e criação de conhecimento.

Desafios

A metodologia convencional portuguesa existente, já apresenta muitos anos de funcionamento e não será fácil incitar as pessoas a mudar. A possível implementação de um projeto integrado requere mudanças drásticas em todo o processo construtivo de uma obra.

As relações obrigatórios entre os vários membros das equipas nem sempre são fáceis, cada interveniente procura aumentar a sua influência protegendo a sua atividade em detrimento dos seus parceiros. O processo requere algum tempo de adaptação e as reuniões periódicas são difíceis de organizar pelas agendas incompatíveis dos vários intervenientes. As responsabilidades podem ser mais difíceis de avaliar devido ao número de participantes e as constantes trocas informacionais. A existência de novos protocolos para controlo de informação é assim necessária.

Enquadramento legislativo

Avaliação contratual da criação do IPD

A dificuldade de uma mudança para o projeto integrado reside na cultura de trabalho e a estrutura de contrato existentes, que não refletem a partilha dos riscos e dos benefícios.

No caso de obras privadas, como é óbvio, a escolha de qualquer tipo de metodologia é possível, mas no caso de uma obra pública existem dificuldades regulamentares existentes. Uma metodologia IPD necessita da presença da maioria dos intervenientes da obra desde dos primórdios da conceção do projeto. Atualmente nas obras públicas, pelo Código dos Contratos Públicos, a melhor opção da utilização do projeto integrado reside numa concessão da obra. Nos outros casos de obras públicas, as fases de conceção do projeto e construção serão sempre separadas por duas fases de concurso. Contudo, por critérios e exposição dos procedimentos pretendidos, uma metodologia algo semelhante ao IPD seria praticável [6]. O governo também poderia, a título de investigação, realizar algumas obras para testar o projeto integrado, a partir do ajuste direto.

Comparação entre as fases do IPD e da metodologia tradicional portuguesa

Uma análise entre as fases de um projeto integrado e as fases de uma metodologia tradicional portuguesa, do tipo conceção-licitação-construção, apresenta muitas diferenças, sobretudo no âmbito da atividade temporal. Muitas tarefas a desempenhar são semelhantes nas duas metodologias porém a maioria delas são aprimoradas e adiantadas no projeto integrado [6]. A ênfase na elaboração do projeto no IPD e a passagem de muitas tarefas para fases anteriores, traduzem-se no aperfeiçoamento da conceção da solução pretendida e numa potencial redução da fase de construção.

Ligações Internas

Ver também:

Referências Bibliográficas

  1. Architects, The American Insitute of - Integrated Project Delivery: A guide. 2007.
  2. Tardif, Dana K.Smith e Michael - Building Information Modeling. 2009.
  3. Council, The American Institute of Architects California - Integrated Project Delivery – A Working Definition. 2007.
  4. Zhang, Yang; Guangbin, Wang - Cooperation between building information modeling and integrated project delivery method leads to paradigm shift of AEC industry. Piscataway, NJ, USA: IEEE. 2009.
  5. NASFA, COAA, APPA, AGC AIA - Integrated Project Delivery: For Public and Private Owners. 2010.
  6. 6,0 6,1 Ribeiro, David Correia - Avaliação da aplicabilidade do IPD em Portugal. Faculdade de Engenharia da Universidade do Porto. 2012.