Resultados dos Testes em Branco no Outão

 

Nota Rectificativa

Na apreciação feita pela CCI em 12/9/2001 aos resultados das análises das emissões da cimenteira do Outão pode ler-se:

"...Verifica-se, com excepção do NOx, que os valores encontrados se encontram dentro dos limites legais da actual legislação para cimenteiras..."

O texto deve ser rectificado, passando-se a ler:

"...Verifica-se que os valores encontrados se encontram dentro dos limites legais da actual legislação para cimenteiras..."

A nota da CCI teve por base a comparação dos valores do relatório com o limite de 1100 mg/m3N tabelado no Capitulo 4 do 1º relatório do CCI (tabela 4.8).

Esses valores tinham sido calculados para ajustar a 10% de O2 os valores que se encontravam publicados na portaria 286/93 de 12 de Março. Neste diploma era utilizado o valor de 8% de O2 no anexo IV. O anexo VI não refere qualquer valor para o O2, pelo que se supôs que seriam os mesmos 8%.

Fomos agora alertados para a existência de uma Declaração de Rectificação n.º 91/1993 publicada a 31/5/93 onde se indica que o valor de 10% para o O2 deve ser o considerado no anexo VI n.º 5.3.1.

Assim sendo o limite legal para o NOx expresso como NO2 actualmente em vigor é de 1300 mg/m3N, pelo que todos os valores encontrados no relatório da ERGO estão dentro dos limites legais para a fabricação de cimento.

Face ao exposto fez-se a necessária rectificação do texto de 12/9/2001.

A CCI
19/9/01

 

Cumprindo o disposto no D.L. n.º 120/99 a Comissão Científica Independente (CCI) iniciou um conjunto de testes das instalações cimenteiras destinadas a serem utilizadas na co-incineração de Resíduos Industriais Perigosos (RIP).

Nas instalações do Outão da SECIL foram medidas de 19/04/01 a 25/04/01 as emissões dos fornos 8 e 9 em condições de laboração normal, utilizando um combustível tradicional. O sistema de despoeiramento instalado era constituída por uma bateria de filtros electroestáticos.

 

Resultados

Os resultados estão disponíveis na página da CCI (http://www.incineracao.online.pt) onde se transcreve o relatório do laboratório alemão ERGO. Os níveis de emissão são os normais para uma cimenteira a funcionar com combustível clássico e bastantes baixos para dioxinas e metais.

Verifica-se que os valores encontrados se encontram dentro dos limites legais da actual legislação para cimenteiras.

Numa prespectiva de co-incineração, confrontando as emissões de NOx com os indicados na legislação futura para a co-incineração, constantes da directiva europeia 76/CE/2000, verifica-se que alguns valores agora encontrados excedem os limites de 800 mg/m3. Assim, no futuro, quando a co-incinerar RIP, a unidade deverá reduzir as emissões deste efluente.

Os valores de SO2 e Compostos Orgânicos Totais (TOC), embora acima dos limites previstos para a co-incineração, não resulta evidententemente, neste caso, da queima de RIP.

 

Testes Futuros

Em breve serão efectuados idênticos testes na fábrica do Outão, ainda com combustível normal, para avaliação dos resultados após a instalação dos filtros de mangas, já concluída.

Serão também realizados brevemente novos testes de co-incineração de RIP no forno 3 de Souselas, logo que estejam terminadas as obras de remodelação do forno e depois de avaliados os resultados do mini-teste realizado em Julho.

A CCI
19.09.01


Documento:
Relatório do Laboratório Alemão - ERGO