Incineradoras, dioxinas e leite...

 

Num artigo intitulado Nuevas Aportaciones al Controvertido Debate sobre Incineración, Dioxinas y Salud e escrito pelo Professor Catedrático de Toxicologia José L. Domingo, da Universidade Rovira i Virgili, Reus/Tarragona, foi feito um estudo no ambiente e na saúde pública da emissão de dioxinas pela incineradora de resíduos sólidos urbanos de Tarragona (artigo publicado na revista Resíduos, n 54, pág. 90-95, 2000). Esta incineradora emitia 2 ng I-TEQ/Nm3 de dioxinas em 1997, valor 20 vezes superior ao máximo permitido à co-incineração. Após modificações técnicas, passou a emitir 0,003 ng I-TEQ/ Nm3 em 1999. A redução da exposição global da população às dioxinas por esta alteração de emissões na incineradora corresponde somente a 0,0021 pg I-TEQ/kg/dia. Mostra o autor que uma simples alteração do hábito alimentar, como a de substituir o consumo 200 g/dia (copo) de leite gordo pela mesma quantidade de leite meio-gordo, levaria a uma diminuição da exposição global a dioxinas na cadeia alimentar de 0,34 pg I-TEQ/kg/dia, correspondente a um decréscimo 162 vezes superior ao do efeito da alteração de emissões de dioxinas da incineradora de resíduos sólidos urbanos.